Está Terminando a Temporada de Cantoria das Cigarras

As cigarras fazem verdadeiros "concertos" em Brasília

As cigarras fazem verdadeiros "concertos" em Brasília

Por Eustáquio Ferreira *
Especial para Nós – Fora dos Eixos

Esta semana as cigarras cantaram com toda força! Até parece que estão se despedindo de sua temporada de cantoria. Quando vieram as primeiras chuvas elas pareciam tímidas. Algumas aqui, outras ali. Agora é aquele contínuo siiiiii siiiiiiiii siiiiiiii, canto sincronizado, que se inicia com o vibrar de uma delas e que vai se encorpando com a adesão de outras até que soem uníssonas, ritmadas, em intervalos regulares.

A história mais conhecida da cigarra é aquela contada pelo fabulista francês, La Fontaine, em que ela é uma cantora preguiçosa, que no inverno iria morrer de frio por não acumular alimentos no verão. Diz a fábula que por não trabalhar e viver a cantar ela dependeria da generosidade da amiga formiga para não morrer de fome e frio.

A verdade é que a cigarra nasce nas folhas das árvores, resultado do ovo posto pela mãe, certamente depois de um festival de cantoria e muita azaração.  E se enterra no solo, ainda larva. Ela desce até encontrar uma raiz apetitosa, isto é, com seiva suficiente para alimentá-la durante toda sua vida subterrânea. Nesta fase ela mede apenas 2,2 milímetros, mas com as patas dianteiras ela cava a terra, comprime parte do solo contra o peito e constrói uma galeria vertical onde ela viverá até perto da fase adulta, que se completa quando sai do solo.

Já no solo, depois de um tempo ela troca sua pele ou casca (exoesqueleto). Isto acontece quando ela alcançar aproximadamente 4 milímetros. Aquela roupa já não a cabe mais. Começa ai o seu segundo instar, período entre as trocas de cascas. Ela a troca novamente quando chegar a 8 milímetros de comprimento. A terceira troca ocorre com 15 milímetros, a quarta com 25 milímetros. Nesta fase ela adquire a cor amarelada.

Então a cigarra sobe para o tronco da árvore. Isto depois de 4 até 14 anos vivendo nas galerias semelhante às formigas cupins e outros insetos. O período de vida no subsolo varia de uma espécie para outra. Ao subir ela toma a cor escura característica e terá asas transparentes que permitirá seu deslocamento de uma árvore para outra.

Lá irá “cantar” fazendo vibrar partes de seu exoesqueleto abdominal. Seu som pode alcançar 120 decibéis e pode ser agudo o suficiente para não ser ouvido por humanos. Os cães que podem ouvir sons mais agudos se incomodam com aquele canto quando este excede aos limites do conforto.

Quem canta é o macho. Canta para acasalar. Essa fase da vida adulta das cigarras dura de dois a três meses. Eles acasalam, as fêmeas põem os ovos e as cigarras adultas, machos e fêmeas, morrem. Daí surge mais uma lenda. Segundo o entendimento corrente as cigarras cantam até estourar e morrer. Na verdade aquela casca é a ultima troca de “roupa”, o passaporte para a vida adulta.

Cigarra: quem mora no Plano Piloto é mais "contemplado"com o seu "canto"

Cigarra: quem mora no Plano Piloto é mais "contemplado"com o seu "canto"

Os insetos sempre foram vistos como inoportunos, indesejáveis ou desnecessários. Todavia, cada vez mais, desenvolve-se a consciência de que todos os seres vivos fazem parte do mesmo ecossistema e que, ainda que não saibamos qual, cada um tem uma função definida no conjunto de seres que habitam a terra.

A cigarra não é preguiçosa, não estoura de cantar e tem uma função de, para alguns, anunciar firmemente a primavera. Longe de querer incomodar, a cigarra canta para alegrar a natureza. Ela vibra para conceber uma nova geração da sua espécie. Viva a cigarra! Viva a natureza!

foto_Eustaquio* Eustáquio Ferreira é escritor
Serviço
eustaquioferreirasantos@gmail.com
ambienciabrasilia.blogspot.com




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Muito o brigado, eu estava com uma duvida sobre a cigarra, mas agora estou muito satisfeito com essas respostas.

ADOREIII,simplsmente adorei essa crônica!Parabéins ao escritor, que coisa maravilhosa de ler, aprendi mtto e seria capaz de ler umas dez incansáveis vezes!

Obrigado, com sua explicação éra tudo que precisava saber, pq há muitos mitos e na realidade nunca sabemos a verdade.

Comente este artigo

(obrigatório)

(obrigatório)