Voar sem medo: como o EMDR pode ajudar você a levantar vôo

Se você tem medo de andar de avião, não está sozinho. Aproximadamente 40% da população brasileira sofre do mesmo mal. Veja como uma nova forma de psicoterapia pode lhe ajudar a alçar vôo.

Por Adriana Kortlandt*

Esly Regina de Carvalho, mestre em Psicologia, e Treinadora de EMDR

Entrevista com Esly Regina de Carvalho, mestre em Psicologia, e Treinadora de EMDR, reconhecida pelo EMDR Institute dos Estados Unidos. Esly tem consultório em Brasília e viaja com freqüência para dar cursos de formação em EMDR para psicólogos e psiquiatras.

Adriana Kortlandt: O que é EMDR?

Esly Carvalho: EMDR são as siglas do inglês (Eye Movement Desenzitization and Reprocessing) que significam Dessensibilização e Reprocessamento por meio de Movimentos Oculares. Entendendo que traumas e lembranças dolorosas são armazenados de forma inadequada no cérebro, o EMDR é capaz de reprocessar, através da integração da informação que se encontra separada nos dois hemisférios cerebrais. Medos, fobias, terrores e ansiedades vinculados às lembranças difíceis, mantém as pessoas presas aos fantasmas do passado. De forma acelerada e adaptativa, o EMDR “imita” de certa maneira o que acontece durante a etapa do sono REM (Rapid Eye Movement – movimento rápido ocular), quando o cérebro processa informação diária, arquivando-a no passado. Por alguma razão ainda não completamente compreendida, em determinadas situações as pessoas não conseguem realizar este processamento de forma normal e saudável. Isso possivelmente determina os pesadelos, sobressaltos, pensamentos intrusivos e obsessivos, ataques de pânico e, em casos mais graves, o Transtorno de Estresse Pós-traumatica (TEPT) e suas conseqüências. Em casos excepcionais pode ocasionar Transtornos Dissociativos de Identidade, quando existem histórias crônicas de traumas repetitivos e constantes, especialmente na infância.

Adriana Kortlandt: EMDR também pode ajudar pessoas com medo de voar?

Esly Carvalho: Sim. É frequente que o medo de voar tenha sua origem em experiências reais anteriores (vôos difíceis, turbulência, etc.) ou medos afins, como a claustrofobia (medo de estar em lugares encerrados); ou mesmo fantasias do que poderia acontecer uma vez que o avião levanta vôo. O EMDR ajuda a reprocessar estes medos que estão alojados de forma inadequada no cérebro e “dissolve” neuro-quimicamente essas lembranças que impedem as pessoas de desfrutarem uma maior qualidade de vida.

Adriana Kortlandt: O tratamento é demorado?

Esly Carvalho: O EMDR tem uma forma mais acelerada de “metabolizar” a vivência difícil de vôo e os receios relacionados a isso, do que psicoterapias convencionais. É comum que os medos simples de voar sejam resolvidos em poucas sessões. Vale ressaltar que casos mais complexos vão levar mais tempo. Cada caso merece uma avaliação por um profissional devidamente certificado.

Adriana Kortlandt: Como funciona o tratamento?

Esly Carvalho: Pede-se que a pessoa pense no evento chave ou nos momentos difíceis que enfrenta, segundo um protocolo determinado. Aplicando-se a estimulação bilateral (visual, auditiva ou tátil) o cérebro recebe o “empurrão” necessário para desenvolver o processamento que já “sabe” fazer, mas que por alguma razão ficou bloqueado. Uma vez reprocessada a lembrança, a perturbação vinculada a ela costuma desaparecer ou diminuir consideravelmente. As vezes é preciso várias sessões para que a lembrança fique zerada. Um comportamento mais adequado costuma surgir espontaneamente.

Adriana Kortlandt: Quem pode aplicar este tratamento?

Esly Carvalho: Como há riscos de dissociação ou re-traumatização, recomenda-se apenas os profissionais devidamente treinados e credenciados pelos representantes do EMDR Institute. No Brasil há mais de mil terapeutas reconhecidos em convênio com a EMDR Brasil/EMDR ibero-América/EMDR Institute. Pode-se conseguir uma lista completa no site, www.emdrbrasil.com.br . A EMDR Treinamento e Consultoria Ltda. oferece cursos de formação nessa modalidade para psicólogos e psiquiatras.

*Adriana Kortlandt é psicologa e escritora.




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

muito claros e objetivos os esclarecimentos de esly. parabéns pela entrevista.

[...] o EMDR pode ajudar você a levantar vôo Publicado em Nós – Revista em 21 de janeiro, [...]

Gostei muito da entrevista, esclareceu algumas dúvidas que eu tinha. Parabéns.

Comente este artigo

(obrigatório)

(obrigatório)